Saude

O DIU é o contraceptivo certo para você?




Confira tudo sobre o Diu, como funciona, efeitos e se realmente vale a pena usar pra evitar uma gravidez

A preocupação com uma gravidez indesejada aliada à procura por um método contraceptivo com menos efeitos colaterais tem feito muitas mulheres se interessarem pelo dispositivo Intrauterino. A procura pelo procedimento de inserção do DIU vem aumentando nos últimos anos no Brasil.

Entre os fatores que pesam na escolha do método, está a ocorrência de problemas de saúde decorrentes do uso prolongado de pílulas anticoncepcionais. A possibilidade de colocar DIU pelo plano de saúde  também contribuiu para aumentar o número de brasileiras que optam pelo dispositivo.  

Para quem é indicado o DIU?

diu

O método é recomendado para mulheres que tem epilepsia, trombose (ou casos da doença na família), enxaqueca e pressão alta. Nos últimos anos, estes problemas de saúde têm sido associados ao uso contínuo de pílulas anticoncepcionais.

Tipos de Dispositivo Intrauterino

Considerado um dos métodos de contracepção mais eficazes e com menos efeitos nocivos à saúde da mulher, o DIU é uma boa opção para quem não deseja ter filhos nos próximos anos.

 

Segundo médicos especialistas em planejamento familiar, as chances de falha do DIU são mínimas, ficando em torno de 0,2% a 0,8%. Vale lembrar que ainda não existe método de contracepção que seja 100% garantido.

 

Em formato de T, esse dispositivo pode ser revestido apenas com cobre ou com uma camada de hormônio.

 

  • DIU de cobre: Esse é o modelo convencional de DIU pode ficar de 5 a 10 anos no útero com resultados eficazes. Só não é recomendado para pacientes que possuam alergia ao metal que compõe o anticontraceptivo. Além disso, em alguns casos clínicos específicos.

 

  • Diu com hormônio: Esses dispositivos intrauterinos possuem levonorgestrel (hormônio). Pode permanecer até 5 anos no corpo feminino. Caso deseje continuar com esse método contraceptivo, será preciso passar por um novo procedimento médico para realizar a troca de DIU.

 

Ouça a opinião do seu médico

diu funciona

Para fazer uso desse método contraceptivo é preciso conversar com seu ginecologista. Somente ele pode avaliar seu histórico de saúde e analisar se realmente é a forma de contracepção mais recomendada no seu caso.    

Quem não deve usar DIU

 

  • Mulheres com DST (ou suspeita)
  • Quadros clínicos relacionados ao sistema reprodutivo
  • Inflamações vaginais
  • Sangramentos anormais
  • Quem deseja engravidar em curto prazo

Vantagens do DIU

  • Método contraceptivo reversível
  • Evita a gravidez por cerca de 5 anos
  • Segurança para a paciente
  • Alta taxa de eficiência
  • Procedimento com cobertura obrigatória pelos planos de saúde
  • Evita riscos de trombose e outros efeitos colaterais típicos das pílulas anticoncepcionais

Como funciona

O DIU tem como objetivo impedir que o espermatozóide encontre o útero. Dessa forma, impede a fecundação sem causar um aborto.

 

O dispositivo intrauterino é colocado pelo ginecologista sem necessidade de cirurgia, anestesia geral ou internação da paciente. No próprio consultório, o médico realiza o procedimento. Mas a inserção do DIU pode gerar um incômodo na mulher.

 

Após o procedimento, é possível que a paciente sinta cólicas e  note  anormalidade em seu ciclo menstrual. Mas com o passar do tempo o ciclo é normalizado. Por esse motivo, é necessário consultar seu ginecologista regularmente.

 

Uma das principais vantagens do DIU é a reversibilidade do procedimento. Ou seja, se você mudar de ideia quanto a engravidar, é só solicitar a retirada do dispositivo. O procedimento é ainda mais fácil.  

Planos de saúde cobrem a colocação

Desde 2008, A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) obriga os planos de saúde que operam no Brasil a cobrir o procedimento de implante de dispositivo intrauterino.

Basta procurar um médico especializado que seja conveniado e solicitar a autorização do seu convênio.

Uma dica importante é encontrar uma clínica ou profissional que não apenas faça o procedimento de inserção do DIU, mas que também forneça o dispositivo. Dessa forma, você evita ter que solicitar posterior reembolso ao seu plano de saúde.

Pra quem gosta de cuidar dos cabelos, sugiro ler sobre a transição capilar, nosso artigo está muito bom!

Você colocou o DIU pelo plano de saúde? Conte para a gente como é sua vida após a inserção desse método contraceptivo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.