Dieta Intermitente: cardápio, como funciona e mais!


Dieta Intermitente é sucesso entre famosas e atrizes, mas será que funciona pra todo mundo? Saiba tudo sobre ela!

É interessante o quanto dietas fazem sucesso e como as pessoas estão dispostas a perder peso. Existem várias opções, com promessas milagrosas e até mesmo muito perigosas para a saúde. Aqui em nosso site, já falamos sobre várias delas, como a dieta low carb ou a dieta cetogênica. Hoje vamos falar de uma dieta um pouco mais agressiva, a dieta intermitente, também chamada de jejum intermitente. A proposta, embora controversa, não é tão maluca como pode parecer à primeira vista, isso porque a dieta intermitente, ou jejum intermitente, na verdade, não é recomendado para todos, requer acompanhamento profissional, e, sobretudo, se baseia em estudos sérios.

Dieta Intermitente – do que se trata?

dieta intermitente

Embora não seja uma ideia recente(existe o jejum até na Bíblia), jejuar para perder peso começou a fazer sucesso apenas em 2013, após o médico inglês Michael Mosley lançar o livro “A Dieta dos 2 Dias”. Esse processo tem a ver com os hormônios, genes e importantes processos de reparação celular.

Ao jejuar, os nossos níveis de açúcar no sangue caem significativamente e com isso a insulina também cai. Há ainda o aumento na quantidade do Hormônio do Crescimento (HGH).

Muitas pessoas fazem jejum intermitente para perder peso, pois é uma maneira muito simples e eficaz de restringir calorias e queimar gordura. A prática do jejum normalmente é planejada em dias alternados e por um tempo determinado, que pode variar de 8 a 24 horas de restrição alimentar total. O método mais adequado ao perfil, organismo e rotina de vida de cada pessoa deve ser definido junto com um nutricionista.

Essa dieta realmente funciona?

Vamos aos principais benefícios à saúde na prática:


  • Renovação celular: causa a chamada autofagia, que é um mecanismo de auto limpeza e renovação das células do corpo
  • Produção de HGH: o aumento do hormônio do crescimento no corpo ajuda na queima de gordura
  • Diminuição da Insulina: durante o jejum caem drasticamente os níveis de insulina no sangue
  • Saúde Mental: aumento da proteína BDNF no cérebro e melhora a saúde cerebral
  • Longevidade: aumento da expectativa de vida das células
  • Emagrecimento: é uma ótima opção para perder peso e diminuir gordura visceral

Os resultados variam, no entanto, dependendo das circunstâncias individuais e da quantidade de peso que o indivíduo deseja ou precisa perder. Isso ocorre porque o jejum intermitente não é uma “dieta”, mas sim um programa de alimentação, que demanda adaptações alimentares a longo prazo.

dieta jejum intermitente

Como ela é feita?

A metodologia da dieta afirma que você pode comer livremente durante 5 dias da semana, mas em 2 dias você deve fazer jejum, assim limitando seu consumo calórico a 500 calorias diárias no caso de mulheres, e 600 para os homens.Ela é caracterizada como uma dieta livre que, contrariando muitas outras, você pode abusar em um determinado período do dia, e restringir a ingestão durante outros. Essa dieta permite inclusive a realização de apenas duas refeições diárias. A Dieta do Jejum Intermitente pode se tornar muito cômoda, mas cabe a você reconhecer se é uma alternativa saudável para entrar em forma ou não.

É importante ressaltar que os dois dias de jejum na semana não devem ser consecutivos, para que não contribua para qualquer desequilíbrio nutricional de seu organismo.

Desvantagens e riscos

Tendência a gerar compulsão alimentar, fome e saciedade desreguladas, é difícil de se adaptar, hipoglicemia, desnutrição, fraqueza muscular e dificuldades para se concentrar.É muito importante ressaltar também que o jejum intermitente pode gerar efeitos colaterais caso você seja diabético ou não esteja acostumado com a dieta Primal ou Low Carb. Efeitos como tonturas, fraquezas, náusea e dores de cabeça são alguns dos sintomas que podem ocorrer.

Contraindicações

O jejum intermitente pode ser perigoso para gestantes, lactantes, adolescentes, crianças, idosos e pessoas com doenças crônicas.

Conclusão

Sugestões e dicas podem ser deixadas nos comentários!

Até a próxima!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *